Tiago Sá Carneiro Ex-presidente da AAUTAD eleito para o Conselho Nacional do PSD recorda a “grande escola” que teve em Vila Real

Tiago Sá Carneiro foi eleito no passado fim-de-semana, para o Conselho Nacional do PSD. O militante social-democrata encabeçou uma lista, tendo conseguido a eleição. 

Natural do Porto, Tiago Sá Carneiro foi presidente da direção da Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) nos anos de 2008 e 2009, sendo que antes já tinha exercido o cargo de vice-presidente da estrutura associativa. Licenciou-se em engenharia civil e depois rumou para a capital onde iniciou a sua carreira política. 

Mas foi em Vila Real, que surgiu a sua vocação para a política. 

“Foi na AAUTAD, no movimento associativo que iniciei as minhas lides políticas e foi neste percurso que encontrei uma vocação que, se calhar se identifica comigo já há muito tempo, mas achei que seria interessante dar esse passo no Partido Social democrata”, referiu o ex-dirigente académico. 

A primeira experiência política que teve foi enquanto mandatário da Juventude da campanha de Manuel Martins em 2009, onde também ficou o conhecer Pedro Passos Coelho, na altura, presidente da assembleia municipal de Vila Real. Ainda hoje, Tiago Sá Carneiro identifica o ex-primeiro ministro como a sua “referência política”. 

O militante social-democrata considera que a sua passagem pela Associação Académica da UTAD e por Trás-os-Montes lhe deu “grandes lições” que segue na sua vida política. 

“O povo transmontano é um povo muito verdadeiro que encara a política como uma missão e foi uma das principais lições que eu tirei da minha passagem por Vila Real é que de facto pode fazer-se política com elevação. Pode-se fazer política com solidariedade, pode-se fazer política com valores e com princípios que identificam muito o povo transmontano. Valores que tenciono manter vivos”, referiu Tiago Sá Carneiro. 

Quanto ao seu papel no Conselho Nacional do PSD, Tiago Sá Carneiro aponta as eleições autárquicas como a principal missão, referindo que “é preciso esquecer” os meses de campanha interna e “focar no futuro”. 

Para ouvir a entrevista na íntegra, na UFM, no domingo, dia 16, às 10H, em 104.3 Mhz ou em universidade.fm 

Sónia Domingues 

Menu