Programa Valorizar apoia conclusão da Ecovia Internacional do Tâmega

O Município de Chaves e a Empresa Municipal – Gestão de Equipamentos do Município de Chaves (GEMC) – assinaram com o Turismo de Portugal, dois contratos de financiamento para execução de projetos de valorização turística, com um montante global de 833.627,07€.

A sessão de assinatura dos projetos apoiados pelo Programa Valorizar, teve lugar no complexo Termal da Cidade e contou com a presença da Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

O programa Valorizar, promovido pelo Turismo de Portugal, visa apoiar o desenvolvimento de projetos turísticos que promovam a valorização turística dos territórios, que contribuam, em linha com a estratégia definida no âmbito do plano Turismo 2027, para aumentar o potencial turístico de todo o território nacional.

A terceira fase do projeto “Ecovia Internacional do Tâmega e Corgo – Vidago -Vila Pouca de Aguiar”, que prevê a ligação da vila de Vidago ao concelho de Vila Pouca de Aguiar e a conclusão da ligação supramunicipal e transfronteiriça entre Espanha, Chaves e Vila Real, numa extensão linear de aproximadamente 59,30 km, foi um dos projetos contemplados pelo Programa Valorizar, tendo alcançado um incentivo total de 299.979,27 €.

O projeto “Turismo Termal – As Chaves do Futuro Sustentável”, promovido pela Gestão de Equipamentos do Município de Chaves, foi o outro projeto aprovado pela entidade pública, permitindo, por esta via,  a valorização das instalações existentes, bem como a criação de um espaço para exposição e venda dos produtos dermocosméticos, assim como a elaboração de diversos suportes de comunicação para promoção do Turismo de Saúde e Bem-Estar, num incentivo total de 210.762.30€.

Para o autarca flaviense, Nuno Vaz, esta comparticipação significativa “permitirá uma dinamização do turismo ligado ao termalismo, à natureza e rede hídrica, como um elemento agregador para o qual devem convergir um conjunto de outras áreas económicas complementares, que no seu conjunto devem fazer com que Chaves e o Alto Tâmega possam atrair mais turistas e habitantes”.

A assinatura dos protocolos possibilita “a valorização da dimensão paisagística e ambiental, ligada à história da ferrovia e ao próprio rio Tâmega” e simultaneamente a valorização de “um conjunto de evidências edificadas, que permitem evidenciar a história da cidade”, dando destaque “às termas como maior recurso da cidade”.

Menu