PR diz que avançar já com regionalização é “colocar carro à frente dos bois”

“Colocar o carro à frente dos bois, ou querer dar o passo mais largo do que a perna, pode ser um erro irreversível. Pode querer dizer chegar ao fim do caminho sem garantia da sua viabilização [da regionalização] pelo incumprimento de fases precedentes”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na sessão de abertura do XXIV congresso da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), que se realiza em Vila Real.

O chefe de Estado lembrou que, na campanha das legislativas, não surgiram “propostas firmes de revisão da Constituição” que suportem a realização de um referendo, que não foram apresentadas “posições” concretas sobre a regionalização e alertou para a necessidade de aprofundar a descentralização, que “avançou na lei, mas falta chegar às pessoas”.

Manuel Machado presidente da ANMP considera as palavras do Presidente da Pública como “adequadas”.

Rui Santos, presidente da câmara de Vila Real e anfitrião deste congresso,  na sessão de boas vindas lembrou a necessidade de políticas urgentes para travar a desertificação, defendendo que a descentralização está a resultar num bom processo.  No entanto, Rui Santos referiu ainda que é pesada a máquina do Estado, prejudicando o funcionamento das autarquias. Por esse motivo o autarca vila-realense lembrou que é possível mudar o paradigma com um processo de regionalização.

 O XXIV Congresso da Associação Nacional de Municípios termina este sábado com a presença do Primeiro Ministro António Costa.

Menu