Lar ilegal foi encerrado em Valpaços e 13 idosos retirados

Notícias, Região

Um lar ilegal do concelho de Valpaços, distrito de Vila Real, foi encerrado e 13 idosos foram retirados devido a “condições precárias” de organização e higiene, disse fonte do Instituto de Segurança Social (ISS).

O Departamento de Fiscalização do Instituto de Segurança Social, em colaboração com a Unidade de Saúde Pública do Alto Tâmega e Barroso, realizou na quinta-feira uma ação inspetiva “tendente ao encerramento administrativo urgente de uma estrutura residencial para pessoas idosas ilegal, a funcionar no concelho de Valpaços, distrito de Vila Real”.

No local, segundo uma fonte ligada ao processo, foram encontrados 13 idosos (11 mulheres e dois homens), um dos quais acamado.

“A situação indigna em que estes idosos foram colocados e as precárias condições de organização e higiene encontradas, determinaram que as entidades envolvidas decidissem unanimemente pelo encerramento do estabelecimento e evacuação transitória dos utentes para Zona de Concentração e Apoio às Populações (ZCAP) de Valpaços”, explicou, em comunicado, a Segurança Social.

Esta ZCAP corresponde ao centro de acolhimento covid-19 que o município de Valpaços preparou no pavilhão multiusos e que não estava a ser utilizado.

Para este centro de acolhimento foram transportados 10 idosos, ficando os restantes três com familiares.

De acordo com o ISS, posteriormente e após aplicação de testes covid-19 será assegurado o realojamento dos utentes em respostas sociais “alternativas e condignas” providenciadas pela Segurança Social.

A operação contou com o apoio da Proteção Civil Municipal de Valpaços.

Na aldeia onde o lar funciona há vários anos juntaram-se alguns familiares dos idosos que optaram por os levar para as respetivas casas.

“A minha mãe é uma pessoa que não tem condições para ir para o pavilhão, é uma pessoa que está muito debilitada. Vou levá-la para minha casa, com grande sacrifício, porque fui operada há oito dias e não posso fazer esforços”, afirmou Eunice Carneiro.

Acrescentou que a mãe “estava muito bem cuidada” naquele lar onde já estava há dois anos.

Eunice Carneiro afirmou ainda que não sabia que se tratava de um lar ilegal.

“Fiquei a saber hoje, mas olhe estavam melhor aqui num lar que era ilegal do que em muitos que estão legais. Eu já tenho essa experiência”, referiu.

A filha da octogenária disse estar agora com um problema grave para resolver, porque pagava 750 euros neste local e as outras soluções disponíveis pedem à volta de “1.500 euros”.

Lusa

Menu