Associação Vale D`Ouro quer clarificação de posições dos elementos do Grupo de Trabalho para a Reabertura da Linha do Douro

A Associação Vale d’Ouro remeteu hoje ao Ministério das Infraestruturas e da Habitação e ao Ministério da Coesão Territorial, um pedido de esclarecimento sobre a posição de uma das entidades que integra o Grupo de Trabalho para a Reabertura da Linha do Douro. Em causa está uma recente manifestação de apoio do atual Vice-Presidente da Infraestruturas de Portugal num texto sobre a Linha do Douro em que se considera existir um excesso de “tempo de antena” dado a uma linha cujo “traçado dessa ligação torna muito difícil criar serviços que sejam atrativos para lá do nicho do turismo ferroviário”.  Ora essa manifestação de apoio ocorreu numa rede social de natureza profissional e Luís Almeida, presidente da Associação Vale d`Douro, refere que é preciso esclarecer a posição de todos os intervenientes do Grupo de Trabalho para a reabertura da linha até Barca d`Alva.

Luís Almeida mostra-se ainda preocupado com os atrasos nas obras de eletrificação da linha do douro entre Marco de Canaveses e Peso da Régua e Régua – Pocinho, por isso aproveita a missiva e questiona em que ponto está o processo.

A Associação Vale D`Ouro espera agora pela resposta do ministro Pedro Nuno Santos e da ministra Ana Abrunhosa.  Luís Almeida lembra que a pretensão da reativação da linha do douro até Barca d`Alva é de toda a região de Trás os Montes e Alto Douro.

Recorde-se que a reabertura da Linha do Douro entre Pocinho e Barca d’Alva, com eventual ligação a Salamanca, foi aprovada pela Assembleia da República na sequência da petição da Liga dos Amigos do Douro Património Mundial que reuniu 14 mil assinaturas e já no passado mês de maio foi constituído o grupo de trabalho que em 14 meses terá que concluir os estudos que sejam necessários para que o comboio volte a circular.

Menu